Artigo Semanal: O que você faz pelas gerações futuras?

16/11/2016

 

O Professor deve buscar em si mesmo o verdadeiro sentido de "educar"

 

As novas gerações já nascem em um mundo de incertezas, em meio a famílias que vivenciam uma grande crise de valores. A fé, a ética e a moral estão cada dia mais estremecidas.

 

Acredita-se que a educação oferecida no Brasil resolverá os problemas sociais do país. No entanto, é preciso primeiro melhorar a formação dos docentes, visto que o (des)envolvimento dos professores implica no (des)envolvimento dos alunos e da escola.

Professor, sinta-se privilegiado, pois 38% dos acadêmicos do país são considerados analfabetos funcionais. Entre os alunos do último ano do Ensino Médio da rede pública, 78,5% não apresentaram proficiência mínima em leitura. Já na prova de Matemática, 95% apresentaram não demonstraram domínio sobre conhecimentos básicos esperados para sua idade.

 

Frente aos dados alarmantes, muitos podem se tornar críticos e até se indagar com questões a respeito dos avanços, concluindo que "se a sociedade muda, a escola por arrasto evolui com ela ". Talvez a indagação sugerisse pensarmos dessa forma. Entretanto, notamos que a evolução da sociedade, de certo modo, faz com que a escola se adapte para uma vida moderna, mas de maneira defensiva, tardia, sem garantir a elevação do nível da educação.

 

Os índices apresentados, no entanto, são apenas a ponta do iceberg: os números da educação brasileira vão de mal a pior em praticamente todos os indicadores, basta consultar as páginas dos sites do MEC e do IBGE. Mais que investimentos financeiros, são necessárias boas condições de trabalho e valorização cultural.

 

Já sabemos que não basta, como se pensou nas décadas de 50 e 60, encher professores de livros e novos materiais pedagógicos. O fato é que a qualidade da educação está diretamente aliada à qualidade da formação dos professores. 

 

O (des)envolvimento dos professores é uma pré-requisito  para o (des)envolvimento da escola, da sociedade e, em geral, os dados demonstram que os docentes são maus executores das ideias dos outros. Nenhuma reforma, inovação ou transformação - como queira chamar - persiste sem o docente.

 

Se o professor perder a motivação, terá perdido tudo. Como consequência, não terá compromisso com seus alunos, nem com o desenvolvimento de sua profissão, e não se interessará pela formação continuada.

 

Mudanças profundas só acontecerão quando a formação dos professores deixar de ser um processo de atualização, feita de cima para baixo, e se transformar em um verdadeiro processo de formação continuada onde a aprendizagem terá um ganho individual e coletivo. Para isso, o professor deve pesquisar, inovar e incrementar seus conhecimentos pedagógicos, expandir sua cultura geral e procurar conhecer e desenvolver novos espaços educacionais. Quando isso é feito, o encontra o sentido de ensinar.

 

A Educação me fascina. Ela me proporcionou grandes alegrias e oportunidades. E, se no meu peito bate um coração que ama, ele jamais haverá de negar amor e gratidão pelas escolas que passei.

 

Portanto, existem razões para acreditar que de mãos dadas com você nos tornaremos um país sem desigualdades e teremos deixado um legado de valores em que o direito à educação está umbilicalmente ligado ao desenvolvimento e crescimento do país.

Compartilhar no Facebook
Please reload

Posts Em Destaque
Posts Recentes

Palestra com Prof. Carlos Dorlass - "A quarta Revolução e seus impactos na Educação"

May 14, 2017

1/10
Please reload

Please reload

Arquivo
Please reload

Procurar por tags
Please reload

Siga
  • Facebook Basic Square
  • Twitter Basic Square
  • Google+ Basic Square